Nossa História

Angoleiro Sim Sinhô - Floripa

Téo - Foto: Maria Eugênia Dominguez
O Centro de Capoeira Angola Angoleiro Sim Sinhô foi criado em 1993 por mestre Plínio, em São Paulo, da ânsia de acolher para si o propósito de realizar a busca, o resgate e a conservação da memória dos antigos mestres da capoeira angola. Esse nome surgiu em tom de provocação e resposta a boatos levantados por mestres que estavam no Rio de Janeiro e diziam que em São Paulo não existia capoeira angola.
Em meados de 1995, o pernambucano Téo de Barros surge nas rodas livres de capoeira de São Paulo. Téo se destaca nas rodas de rua e é convidado por mestre Plínio a conhecer a academia do grupo, local onde passa a viver, dar e receber aulas de capoeira angola diretamente com o mestre. Esse processo completa sua formação na capoeira, iniciada pelos mestres de capoeira do Recife, principalmente por Teté, seu primeiro mestre.

Téo e Mestre Plínio - Foto: Ricardo Sallum
Em 1999, Téo embarca em uma aventura que marcaria profundamente sua vida e a história da capoeira angola em Santa Catarina. Téo chega à ilha de Santa Catarina, estabelecendo-se na comunidade de São João do Rio Vermelho. Trazendo a capoeira angola e o gosto pela música e a cultura popular brasileira na bagagem, Téo passa a dar aulas de capoeira no próprio bairro. No ano seguinte, o capoeirista consegue um espaço privilegiado junto ao Diretório Central dos Estudantes da UFSC, passando lentamente a movimentar um universo que o colocaria em lugar de destaque no cenário de capoeira ilhéu. O trabalho do professor criou diversas extensões, passando ele a atuar também na região do Campeche, e junto aos alunos da UNISUL, em Palhoça, além de se ramificar na Argentina, na Itália e na cidade mineira de Belo Horizonte, lugares onde Téo realizou oficinas nos últimos anos. Outro passo importante para a consolidação do grupo foi a construção de uma pequena sede, nos fundos da casa de Carmindo Almeida, o Kaká, um de seus primeiros alunos, no bairro do Rio Vermelho. Em 2013, em mais um reconhecimento da importância de seu trabalho, Téo é formado contramestre de capoeira angola pelo mestre Plínio.
Afoxé Amigos do Katendê - Foto: Leonardo Almada
Atualmente, o grupo de capoeira angola Angoleiro Sim Sinhô de Floripa tem se consolidado enquanto grupo tradicional de capoeira angola na cidade, realizando festas, encontros, oficinas, projetos de extensão e eventos culturais, como a Saída do Afoxé Amigos
de Katendê, que ocorrem todo mês de dezembro em Florianópolis. O grupo realiza rodas abertas aos sábados na sua sede. Estas rodas são bastante conhecidas entre os capoeiristas da ilha, sendo frequentemente visitadas por pessoas interessadas em mergulhar no universo da linguagem simbólica expressa pela capoeira angola.

Roda na UFSC, 2007
Oficina com Mestre Plínio, 2013 - Foto: Ricardo Sallum

Nenhum comentário:

Postar um comentário